terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Quem me Dera!



 Quem me dera!

Escrever somente nas horas alegres,

Onde meu ser repousa em mim,

Com tranquilidade,

Totalmente indefesa...


Sou criatura que chora sim,

Emociona-se,

Vê-se no reflexo de um coração

Contrito e tristonho,

Muitas vezes...


Embalsamo minhas emoções.

Quando tento desenrolá-la,

Escrevo, porque existo,

Porque tem amor em mim,

Inspiro palavras, respiro ternura...


Sinto-me mais solta e feliz

No decorrer da condução de um texto,

Seja poético ou não.

Mas percebo além,

Vejo que em tudo o que escrevo

Tem poesia,

Tanto faz se for em prosa também...


Por que?

O tempo me ensina e diz:

Como me desligar

Da essência da própria alma

Que reluta com a mediocridade,

Esforça-se para ser intensa,

Verdadeiramente feliz?


Escrevo sim...

Existo,

Não vegeto...


Com e por amor,

Tão somente!






 

5 comentários:

  1. Nem todos os dias são daqueles de comerciais de "margarina" na tv,rs... E escrevemos o que o nosso coração pede.Ele manda, nossos dedinhos clicam! Adorei e temos que ser assim sempre: autênticas!
    beijos, ótimo dia ,semana! chica

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante do poema. Linda publicação!!
    -
    Recordar...é viver na saudade 💖

    Beijos, e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  3. A mão escreve o que o coração sente.
    Linda declaração do sentimento que envolve seu coração e sua vida.
    O poeta pode fingir, se colocar na posição do outro, mas sempre vai ter um pouco dele escondido num verso.
    Feliz semana com paz e muito amor no coração.
    Beijo de paz e alegria neste coração.

    ResponderExcluir
  4. Nem todos os dias são alegres.
    Mas, podemos escrever sobre a alegria e a tristeza, por vezes é uma boa terapia.
    O seu poema está muito bom.
    Boa semana com paz e saúde.
    Um beijo amiga Rosélia
    :)
    http://olharemtonsdemaresia.blogspot.com/

    ResponderExcluir