domingo, 28 de fevereiro de 2021

O Voo do Beija a Flor (Norma)

 



(Imagem Daqui)




🌻🐦

Sublime é alegrar o 💙,

Ter Amor no 💙.

É ação!
🌻🐦

Motiva diário viver,

Para não perecer.

É sobreviver!
🌻🐦

A pálida flor espera,

Na mágica quimera.

Será Primavera!
🌻🐦









Vestiu-se de Amor e Paz (Norma)



(Imagem Daqui)


Uma Imagem/um conto



De repente, Isabele sentia frio na alma, queria despir-se de certas dores emocionais. Pensou numa cor vibrante, bem colorida para  levantar seu ânimo não tão generoso.
Experimentou um vermelho cor de sangue, sentiu-se desconfortável, entretanto.
Pôs um delicado azul e melhorou muito sua sensação com a roupa tão linda, parecia uma princesa.
Fitou-se no espelho com atenção, sentiu-se bem, mas ainda com um pouco de nostalgia no 💙.
Voltou ao roupeiro, abriu as portas, admirou-se e aos  seus mais lindos vestidos vaporosos.
De repente seus olhinhos brilharam suavemente, sua pulsação normalizou-se... Enfim, levantou-se e retirou uma peça bela, romântica e delicadamente suave num tom neutro.
O branco do vestido lhe conquistou naquele momento. Enquanto tirava o anterior, ia sentindo um frescor interno, uma sensação boa de pacificação.
Uma vez devidamente trajada, rumou ao jardim, pisava sobre a ramagem como se fosse pétalas em formato de pequenos corações.
Que delicada emoção sentiu Isabele!
Pode saborear aquele momento inesquecível numa roupagem de luz.
Fazia tempo que não sentia o Amor tão na sua pele...


sábado, 27 de fevereiro de 2021

Não Mintam Para mim, Palhaços! NORMA

 



💙 Norma 💙

Uma Imagem/um conto




"Sorria mesmo que seu sorriso seja triste...
Porque mais triste do que um sorriso triste é a tristeza de não saber sorrir."

🤩😍

Mariana sentia-se uma "palhaça", dando murro em ponta de faca, fazendo tudo para alegrar as pessoas e nem um sorriso leve e descontraído conseguia arrancar delas.
Ficava horas em frente ao espelho perguntando a si mesma se o mundo andava tão amargo a ponto de não conseguir dormir .
No dia seguinte, tentava de novo dar um carinho especial,  um amoroso afago e nada, novamente.
Os dias se passavam como água na fonte e ela se entristecia do seu intuito não ser alcançado.
Resolveu arriscar num autoconhecimento detalhado. Depois de um certo tempo, descobriu que não era seu sorriso que estava roto, não era sua dedicação que estava sem graça.
A razão de não conseguir alegrar aos que amava era o 💙 duro de quem recebia seus gestos, sem delicadeza de alma suficiente.
Por uma falsa aparência, quase que Mariana se desiludiu com a vida. Foi por um triz que creu ser só ela que não conseguia fazer os olhinhos dos semelhantes brilharem.
Por um lapso de momento, ia desistir de tudo quando descobriu a mentira dos que com ela conviviam.
Por uma fase, creu que a vida não valesse a pena por causa da insensibilidade alheia.
Doravante não iria deixar de sorrir, assim que as lágrimas dos seus olhos parassem de jorrar como cachoeira.
Afinal, quem nasceu para "palhaça" nunca perde seu sorriso de alma.
Nunca mais acreditaria em quem tentasse minar sua alegria interior.





quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Pinceladas na Alma

 






Estava num momento de ternura,

O cenário conspirava a seu favor.
Contemplava com um olhar novo,
Como se o lugar fosse inaugural.

Quisera o fosse para tirar a agrura,
Por outro, agradecia tão belo Amor.
O Pintor se esmerava num renovo,
Pincelava o céu de tom descomunal.

Encantava-se, ficava pasma, alheia
Ao banal, foco no profícuo, alegria.
Vibrava com cada detalhe, perfeição,
É o Dono do Universo Bom Coração.

Voltava recuperada a enfrentar o dia,
Tornava-se mais fácil a linda magia.
Viver na paz em plena recuperação,
Do golpe na alma duma cruel ação.






terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

O Lado Desumano dos Seres Humanos



Apenas visando seu lado pessoal,

Não envolvem seu 💙, fazem muito mal.
🙏
Dispensam afetos, desejos, emoções,
Sem Amor, vivem aventuras, senões.
🙏
Ternura não doam,  estão prostituídos,
Não criam laços, só papo descabido.
🙏
Seres tão desumanos, sem piedade,
Planejam descarte, são pura maldade.
🙏
Na época de fraternidade, rompem,
 Isolam  todas afeições que explodem.
🙏
São pássaro livre, no egoísmo vivem, 
Em seus botões, só esmagam, ferem.
🙏
Na estrutura, não há sensatez,
São frios, calculistas, exalam aridez.
🙏
Cuida, Pai, dos seres perversos, 
Provocam dores, saem ilesos.
🙏
Proteja a quem é bom e reto,
Zela, ora, faz o bem, predileto.
🙏
Os que me dispensam atenção,
São tão bondosos; olha seu 💙.
🙏
Quem poderá julgar? Impossivel!
Ter seu 💙 subjugado, é terrível!
🙏





segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Florista de Alma




Flor de Lis gostava muito de flores de todas as espécies.

Tinha uma amiga que a acompanhava  nos passeios pelo prado, contemplava as montanhas com esmero. O verde da mata  ao longe a encantava demasiadamente 

Segurança o cesto floral com toda delicadeza para não ferir alguma florzinha mimosa.

Ficava horas sentada num banco feito de tronco de árvore ao lado do seu preferido jardim formoso.

Na realidade o cenário era divino, tanto o local paradisíaco, as moças floristas, o prado verdejante, as belas flores do campo e o ar puro que os envolvia a todos numa beleza descomunal.

O que mais lhe tocava ao 💙 era poder agradecer ao Criador por tantas Delicadezas que a rodeavam.

Ouvia o sonoro canto dos pássaros na copa da árvore como se fosse uma sinfonia e emoldurar tão belo momento 

Flor de Lis tinha doçura de menina e suas mãos, a maciez das pétalas aveludadas que tocava. Seu perfume era de jasmim. Seu sonho juvenil era flóreo e odorizado como uma camélia vermelha.

Nasceu para ser caçadora de flores.






Recomeçar Diário

 



Desperto, muito devagarzinho...

Noites mal dormidas, sem carinho.
Visto-me de imediato, a caminhar,
Muito pertinho de mim está o mar.

Chego próxima dele, ainda na areia,
Saúdo à Mãe do céu, além da sereia.
Um gesto de mãos postas, devoção
Na alma, esperança no dia e no 💙.

Mal posso me conter nas nuances
Diárias e mui belas do nascer do sol.
Cada dia uma surpresa pelo arrebol,
Um colosso é o astro-rei em lances.

Contemplar o romper lindo dos raios
Por entre as nuvens matinais, Senhor.
Que espetáculo lindo, sempre vários!
Um misto de dourado azulado: Amor.



sábado, 20 de fevereiro de 2021

Casinha de Campo (Norma)

 


(Imagem Daqui)

Uma Imagem/um conto




Zuleika tinha um sonho bonito que guardava desde a juventude no refúgio secreto do seu 💙.

Era uma mulher batalhadora e trabalhou muito até o tempo em que podia realizar seu desejo onírico.

Como admiradora do campo, escolheu com calma um belo ranchinho onde o casal de velhinhos havia ido morar com filhos na capital e resolveu se desfazer daquela pérola campal.

Quando foi conhecer o aconchegante vilarejo, já se apaixonou pela calma do lugar.

O cenário era admirável. Arrancou suspiros em seu 💙 enamorado pelas coisas do interior.

Sabia que teria poucos vizinhos, não teria problema. Ao menos com três poderia partilhar seus bolinhos de milho, um café quentinho feito no fogão à lenha atrás do casebre que iria reformando aos poucos, sem pressa e de acordo com suas possibilidades financeiras.

Ao redor, tinha uma árvore muito alta que a fazia lembrar das cerejeiras de Itapecerica da Serra, onde passara dias de imensa alegria e revestida de muito Amor do amado do seu 💙.

Em suas raízes quase expostas, havia um canteiro de rosas, entremeadas com onze horas e margaridas das pequeninas e brancas. Miosótis davam um toque especial.

A vida estava se transformando em cor-de-rosa... Num rosado tênue, de beleza extraordinária. Um doce encanto para seu olhar contemplativo.

Quando à tarde, sentada na rede, admirava a natureza, via tudo com muita ternura e gratidão. Realmente, valera a pena ter esperado tanto para realizar seus ideais da juventude. Zuleika estava  vivendo um momento feliz da sua vida até o final dos seus dias, sozinha e Deus. 





sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Da Infância à Maturidade NORMA

 


💙 Norma Emiliano 💙


Uma Imagem/um conto



Desde menina, Rosinha adorava chegarem às férias ou datas mais longas comemorativas para saírem de viagem ao interior do ES com seu pai amado.

Gostava de atravessar a pé, porteiras de madeira que eram postas também  para animais como bois, vacas ou bezerros não passarem.

Na entrada do sítio, um córrego limpinho ia com ela em paralelo, atiçando o gosto que já tinha pela água de um modo em geral, sendo ainda pequenina.

Ao adentrar na varanda, seus sonhos iam sendo aguçados cada vez mais.

O que se sucederia desta vez? Teria o doce de tomate que ela e outros meninos da fazenda iriam colher nos pés em tom de brincadeira? D. Magnólia faria os biscoitos no fogão à lenha? E a manteiga batida na garrafa até se condensar o leite será que teria?

Brincariam os infantes na varanda grande de pega varetas e outras diversões não informatizadas?

Ficaria contemplando curiosa e caladinha as moças ralando coco e abóbora no riacho para fazerem doces saborosos caseiros?

E a missa dominical? Que lindo era pôr seus vestidinhos da cidade de tecido brocado para, com toda devoção e de véu branco na linda cabeleira cacheadinha, ir rezar! Ia toda prosa e dengosa receber sua Eucaristia com apenas oito aninhos e muita fé já tinha.

Era pequeno o povoado, cercado de morros esverdeados, como num aro de aconchego, num círculo de ternura que alimentou sua alma até o adormecer dos seus dias.

Até hoje, quando vai à roça, se extasia e fica sentada na grama olhando jardins, pássaros, gados, ar puro respirando, no alcance do seu olhar abraça um cenário inspirador.


No sítio da Napaz, foto tirada há dois anos.




quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Um Sonho de Amor NORMA

 




💙 Norma Emiliano 💙



Almas douradas, perplexas,

Encantadas, amadas,  densas,

Paralelas, amorosas, intensas,

Abastecidas, ternas, amorosas.





quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Medo Desolador TONINHO


💙Toninho  💙






Sou como a Samaritana,
Sinto medo em minha vida toda,
A arrancar de mim todos que Amo,
Pouco a pouco fico sem nada, morro.

Que dilema ante a crueldade cigana
Dos sentimentos alheios na roda!
Triste o pranto que eu derramo
Pelo medo, peço socorro. 

Deus, me protege do medo,
Esconde-me deles, malfeitores,
Pessoas cruéis e bem insensíveis,
Também por medo me abandonam.

Senhor, zele por todo meu medo,
Receio mata e é morto. Horrores
Causam, desatinos invisíveis.
Cuide dos que Amam.