sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Da Infância à Maturidade NORMA

 


💙 Norma Emiliano 💙


Uma Imagem/um conto



Desde menina, Rosinha adorava chegarem às férias ou datas mais longas comemorativas para saírem de viagem ao interior do ES com seu pai amado.

Gostava de atravessar a pé, porteiras de madeira que eram postas também  para animais como bois, vacas ou bezerros não passarem.

Na entrada do sítio, um córrego limpinho ia com ela em paralelo, atiçando o gosto que já tinha pela água de um modo em geral, sendo ainda pequenina.

Ao adentrar na varanda, seus sonhos iam sendo aguçados cada vez mais.

O que se sucederia desta vez? Teria o doce de tomate que ela e outros meninos da fazenda iriam colher nos pés em tom de brincadeira? D. Magnólia faria os biscoitos no fogão à lenha? E a manteiga batida na garrafa até se condensar o leite será que teria?

Brincariam os infantes na varanda grande de pega varetas e outras diversões não informatizadas?

Ficaria contemplando curiosa e caladinha as moças ralando coco e abóbora no riacho para fazerem doces saborosos caseiros?

E a missa dominical? Que lindo era pôr seus vestidinhos da cidade de tecido brocado para, com toda devoção e de véu branco na linda cabeleira cacheadinha, ir rezar! Ia toda prosa e dengosa receber sua Eucaristia com apenas oito aninhos e muita fé já tinha.

Era pequeno o povoado, cercado de morros esverdeados, como num aro de aconchego, num círculo de ternura que alimentou sua alma até o adormecer dos seus dias.

Até hoje, quando vai à roça, se extasia e fica sentada na grama olhando jardins, pássaros, gados, ar puro respirando, no alcance do seu olhar abraça um cenário inspirador.


No sítio da Napaz, foto tirada há dois anos.




Um comentário:

  1. Adorei o conto daq Rosinha...Ficou linda tua participação! bjs, chica

    ResponderExcluir