terça-feira, 16 de novembro de 2021

Estátua Encantada

 




Sentindo uma nostalgia inexplicável,

Um sentimento de ternura provável.

Resolvi numa tarde caminhar devagar,

Meu corpo desejou sentir a brisa suave.


Inexplicavelmente, vento me desnudou,

Nada o deteve, tampouco se intimidou.

Senti frio como se fora a despida ave,

Coração gritava por amor... por amar.


O  mar se apiedou, me transformou 

Numa sereia aconchegada na areia.

As marolas rendadas me cobriram,

Um pássaro me ofertou a almofada.


A mãe d'água soltou meus cabelos,

O mar serenou, manso, me enlaçou.

Na magia, passantes não me viam,

Virei uma estátua dos meus sonhos.





7 comentários:

  1. Que linda poesia e o mar serenou, te cobrindo com sua espuma...ADOREI! beijos, tudo e bom,chica e a saudosa Clara Nunes sempre maravilhosa!

    ResponderExcluir
  2. É o amor que provoca toda a magia dos dias.
    Lindo, minha Amiga.
    Cuide-se bem.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Poema e imagem, deslumbrantes.
    .
    Uma semana feliz …cumprimentos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  4. Unos versos sentidos desde el corazón.

    Muy bonito poema.

    Besos.

    ResponderExcluir
  5. A sua publicação é fantástica! :))
    -
    Podem os pensamentos serem frios d'amor
    -
    Beijo, e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Roselia.
    Poetizou com muita emoção e beleza. O mar traz sempre renovações e encantos.
    Muita paz nesta terça-feira. Bj

    ResponderExcluir
  7. Andar pela areia sem nada pensar e sentir,
    quando as aguas vem tocar os pés e uma brisa
    vem deliciosamente alisar o rosto. Um momento de puro deleite amiga.
    Lindo poema do mar.
    Beijo e paz.

    ResponderExcluir