sexta-feira, 26 de junho de 2020

É Tempo de?




É tempo de?

Silêncio,
Ausência,
Distância,
Caminho perdido,
Visão apenas,
Linguagem difusa...
Vozes na noite...
Adormeço,
Abro portas,
Chagas profundas...

SOU  DEPURADA PELO FOGO...

Acampo,
Escondo-me,
Busco,
Adormeço,
Fujo,
Encontro,
Olho,
Mergulho,
Perdoo,
Junto os pedaços.

É tempo de...

Ultrapassar-me,
Andar,
Chegar,
Viver,
Amanhecer,
Anjos acordados,
Retiram-me o joio,
Impregnado,
Deixam somente o trigo...
Tenho tempo ainda,
A PORTA É ESTREITA.
Faz-se novamente noite,
Depois dos anjos,
OUÇO VOZES,
Inconfundíveis,
São vozes do coração
Que sente...
Ele não mente!


10 comentários:

  1. Li em silêncio e... interiorizando em silêncio me deixei ficar... fascinado

    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  2. Na solitude ouvimos melhor a voz do Criador, as falas do coração, os rumores da razão. Tarefa difícil é sabermos selecionar bem a qual delas daremos ouvidos atentos.

    Bons dias pra ti, amiga.
    Bjinhus,
    Calu

    ResponderExcluir
  3. O silêncio é tão preciso nas nossas vidas!!
    🌹
    ~~
    Sinto em mim uma força interior

    Beijo e uma noite feliz :)

    ResponderExcluir
  4. Um tempo difícil, mas que vai ser ultrapassado em breve.
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Continuação de boa semana, querida amiga Rosélia.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Que bela composição, Roselia! O tempo está mesmo adequado para nos aprofundarmos em nosso ser, ouvir as vozes que nos faz bem.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Rosélia.
    Lindíssima poesia, palavras, que saltam os lábios, o olhar, o coração...
    É tempo de recomeçar, de limpar fora para limpar dentro, é tempo de refletir, de se alinhar com Deus, na fé e esperança através da ação do amor...
    Beijinhos doces,
    Ju

    ResponderExcluir
  7. Adoro este grupo! :) Parabéns pela postagem!
    ~~
    Sinto em mim uma força interior

    Beijo e uma excelente noite!:)

    ResponderExcluir
  8. Muito bonito! Como te entendo!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  9. Tempos inquietantes... que nos obrigam a saber conviver, com nossos temores, e fantasmas... mas tudo isto também é aprendizagem... e nada dura para sempre... esta fase ruim também passará...
    Entretanto, temos de fazer da esperança e da resiliência, as nossas melhores armas...
    Gostei imenso do poema! Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir